Estamos AQUI.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

2.ª edição da Oficina de Leitura e Interpretação

A CTB está aceitar inscrições para a Oficina de Leitura e Interpretação, a segunda edição realizar-se-á em Dezembro.

Oficina de Leitura e Interpretação - coordenada por Ana Bustorff e Jaime Soares, a acção direccionada ao público escolar pretende melhorar a capacidade de leitura e de interpretação do texto, bem como as capacidades de comunicação a partir da verbalização da palavra.

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Inscrições abertas

Estão a decorrer as inscrições para mais uma série de oficinas que a CTB vai desenvolver no âmbito do BragaCult. Realizadas as acções de Leitura e Interpretação, e Memória Musical - cujas apresentações públicas aconteceram em Julho no Theatro Circo, e no Rossio da Sé -, e ainda a decorrer a Fixação de Narrativas Orais, até Dezembro terão lugar as seguintes oficinas:

Esculturas e Paisagens Sonoras e Produção de Audiobooks – Coordenadas por Luís Lopes, estas oficinas visam ensinar e incutir nos formandos aptidões criativas e técnicas com vista à elaboração de criações artísticas centradas no áudio, como postais sonoros e audiobooks.

Comunidade de Leitura Dramática – Uma das dificuldades mais sentidas pelas pessoas, quer no contexto escolar, quer no contexto profissional, é a incapacidade para comunicar, motivada sobremaneira pela falta de hábitos de leitura. Urge por isso criar condições para a destreza na verbalização da Palavra e para a experimentação sobre a sua pluralidade de sentidos. Sob a direcção de Regina Guimarães, esta iniciativa terá lugar no Theatro Circo e as primeiras sessões acontecem a 25 de Outubro, 22 de Novembro e 6 de Dezembro.

Leituras Encenadas I – Partindo do texto dramático para a experimentação de uma leitura interpretativa, a oficina coordenada por Jaime Soares e Ana Langhoff tem como objectivo melhorar as capacidades de comunicação e de socialização dos alunos, estimulando a criatividade, através do conhecimento do corpo: atitudes, desinibição, relacionamento com os outros.

Leituras Encenadas II – Ana Bustorff, Alexej Schipenko e Rui Madeira são os orientadores desta oficina que terá como referência as Obras estudadas nos curricula escolares dos diversos anos lectivos. Serão ainda usados outros textos clássicos e contemporâneos, cuja qualidade dramática,  importância literária e temática ajudem a alicerçar uma melhor Cultura Teatral.

As inscrições estão abertas aqui e podem ser feitas individualmente ou em grupo.

terça-feira, 22 de junho de 2010

Inscrições abertas

A Companhia de Teatro de Braga vai desenvolver uma série de acções no âmbito do BragaCult, projecto que visa a revitalização cultural da zona histórica e urbana da cidade, a partir de novas propostas dinâmicas que, de modo sustentado, garantam a participação activa das populações, na busca de melhores públicos e mais qualificada cidadania.

Este projecto de intervenção cultural compreende duas linhas de desenvolvimento em zonas específicas da cidade, as denominadas Linha azul, que compreende toda a zona que vai do Theatro Circo à Estação da CP, passando pela Sé (as acções a desenvolver no programa de acção desta linha concentram-se no Centro Histórico da cidade; e Linha Verde, que compreende a zona da Avenida da Liberdade, Carandá, Galos, Parque da Ponte e Monte Picoto (as acções a desenvolver nesta linha concentram-se no programa de acção do Rio Este).

Em colaboração com as estruturas existentes, o Projecto BragaCult irá desenvolver um trabalho de longa duração com os habitantes das respectivas zonas, podendo já os interessados inscreverem-se nas oficinas que se irão realizar em Julho:

Oficina de Memória Musical - coordenada por João Ricardo Oliveira, tem como público-alvo seniores maiores de 60 anos e crianças dos 10 aos 12 anos. A partir de esculturas sonoras e objectos construídos pelos participantes através do aproveitamento de utensílios considerados em desuso/lixo, esta oficina, que culminará na criação de uma orquestra: a WorkestraZona, pretende avivar a memória das pessoas dando-lhes a possibilidade de redescobrir a poesia da rua.

Oficina de Fixação de Narrativas Orais – desenvolvida por Rogério Boane e Frederico Bustorff, esta oficina será um processo de troca a partir da conversa, da escuta da memória das pessoas e dos lugares, é dirigida ao público sénior.

Oficina de Leitura e Interpretação - coordenada por Ana Bustorff, Jaime Soares e Rui Madeira, a acção direccionada ao público escolar pretende melhorar a capacidade de leitura e de interpretação do texto, bem como as capacidades de comunicação a partir da verbalização da palavra.

As inscrições estão abertas aqui e podem ser feitas individualmente ou em grupo, a partir de centros de dia ou de outras instituições.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

BragaCult

Projecto que visa a revitalização cultural da zona histórica e urbana da cidade, a partir de novas propostas e dinâmicas que, de modo sustentado, garantam a participação activa das populações, na busca de melhores públicos e mais qualificada cidadania.

O Projecto BragaCult está inserido nas parcerias para a Regeneração Urbana do Centro Histórico de Braga e Regeneração Urbana do Rio Este, co-financiado pelo “ON.2 – O NOVO NORTE” e QREN através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) e a Câmara Municipal de Braga, no valor global de 304.350,00€.

Apostar nas Pessoas / Ganhar a Cidade

Este Projecto visa, através de uma multiplicidade de acções integradas, em parceria e colaboração com as estruturas e instituições existentes (juntas de freguesia, associações, escolas, universidades, etc.) desenvolver um trabalho de longa duração com os habitantes das respectivas zonas.

A ideia é trabalhar com pessoas dos 8 aos 80 anos. Para tal foram criadas uma série de acções específicas destinadas a ir ao seu encontro. Ficam alguns exemplos: Oficinas de Imaginação nos ATL ou fora (Som, Imagem, Fotografia Vídeo, Narrativas Orais, etc.); de Experimentação, sobre várias áreas e saberes como Construção de Instrumentos e Orquestra, a partir do lixo; de Escrita; de Criação Vídeo; de Criação Sonora; etc. E outras mais viradas para a Área Escola, o Teatro Escolar e a Formação nalgumas áreas técnicas da comunicação (professores). A sensibilização ao Cinema e ao Teatro e a áreas e saberes que estas integram.

Com as populações mais idosas, partindo dos Centros de Dia ou de outras instituições ou grupos, desenvolver um trabalho sobre a Memória e a Rememoração dos Sentidos e da Vida, a partir da experiência vivencial de cada um. A fixação da Memória em registos áudio e vídeo. A reutilização artística dos espaços físicos e de Memória (a história das casas, das ruas, as igrejas, os instrumentos de repressão social. Os sons da Rua; os utensílios de casa; os instrumentos de trabalho; os mesteres já caídos em desuso, levando os habitantes dos vários quarteirões à redescoberta da memória e da história do Lugar, do Prazer de Viver, ao sentido de pertença e a dar Testemunho escrito, oral e físico da (sua) história.

Pretende-se através de um trabalho de pesquisa com as pessoas, avivar a Memória e provocar Novos Desafios. Projectar o Futuro. Tornar as pessoas mais participativas na Comunidade, mais abertas ao Outro. Melhores cidadãos e melhores espectadores.

Iremos à procura da Memória do Lugar, mostrado à cidade como testemunho artístico dos seus habitantes e Nunca uma reconstituição por fora ou museológica ou etnográfica.

Pretende-se assim criar hábitos culturais e práticas de fruição em zonas particulares da cidade, mais problemáticas por vezes, mas, também elas já portadoras de traços identitários fortes mas que a poeira da história desvaneceu em muitos casos.

Com as Pessoas e para as Pessoas. Sensibilizando-as através de Novas Práticas, para a importância da dinâmica Cultural no viver social.

O Projecto BragaCULT insere-se na ideia central que preside à Actividade da Companhia de Teatro de Braga, neste biénio:

100 anos de República / 30 anos de CTB: Cultura e Cidadania

Braga - Cidade Aberta

Com a democracia Braga tornou-se por direito próprio uma das cidades portuguesas de maior relevância. Esse reconhecimento verifica-se nas mais variadas áreas e indicadores, sejam eles demográficos ou sociais, económicos ou de qualidade de vida, culturais, desportivos ou do conhecimento…

Ao longo destes últimos anos a cidade e o seu concelho, mercê de uma estratégia de crescimento sustentado, tem vindo paulatinamente a resolver assimetrias e a afirmar-se nacional e internacionalmente, a partir das pessoas e das estruturas e instituições que activamente têm vindo a ser parceiros activos nesse crescimento.

As Universidades do Minho e Católica, o Instituto Internacional Ibérico de Nanotecnologia, O Sporting de Braga e o ABC, o Teatro Circo e a CTB e, a recente decisão sobre Braga, Capital Europeia da Juventude, em 2012 são exemplos vivos disso.

É um reconhecimento que honra a cidade e responsabiliza todos e cada um, no que ao Futuro desta Braga moderna e bimilenar, respeita.

São essas as razões que elevam Braga ao estatuto de cidade apetecível.

Agora, realizadas que estão as grandes obras que situaram Braga e o seu concelho nesse patamar é o tempo de nos preocuparmos ainda mais com as Pessoas.

É o Tempo de um NOVO TEMPO.

Queremos que Braga seja cada vez mais uma Cidade Aberta. Uma cidade que saiba Acolher e onde Apeteça Viver... O seu crescimento tem-se concretizado também através dessa capacidade de fixação. É, por isso, o Tempo para “repensar a cidade na sua diversidade cultural nesta era da globalização”. Os 30 anos de actividade da Companhia de Teatro de Braga, que este ano comemoramos e o Projecto BragaCult que aqui se apresenta são exemplo e contributo para os desideratos que temos vindo a defender no âmbito do nosso trabalho artístico.

Algumas decisões de política socioeconómica, educacional, sociocultural e científicas tomadas, referentes a Braga e à Região, vão revelar-se de importantíssimo alcance estratégico Futuro.

A Braga do século XXI, que queremos ajudar a construir, não se pode alhear do potencial que essas decisões encerram e assumirá, na diversidade e riqueza dos seus actores, todas as responsabilidades que lhe cabem, para catapultar a cidade ao patamar de exigência compatível com as expectativas dos cidadãos, em áreas como a Cultura e a Diversidade, a Qualidade de Vida, a Mobilidade, a Inclusão Social e Económica, as Políticas para a Infância e Juventude e para os cidadãos Seniores…

Uma ideia de cidade para o século XXI. Aberta. Que integre e não exclua. Que assuma a diversidade cultural como acto de reconhecimento do Outro.

Uma ideia de cidade que é bimilenar mas que quer discutir a modernidade dentro dos desígnios nacionais: A Europa e a Lusofonia.

É isso que nos move na CTB e que este Projecto BragaCult afirma.

Braga. Cidade Aberta. Lugar de Encontros.

Rui Madeira